Notícias

11/07/2018Governança ambiental brasileira é retrocesso gradual , dizem especialistas

 
“Retrocesso gradual”. É dessa forma que seis estudiosos do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) definem a governança ambiental brasileira para cumprir as metas do Acordo de Paris —  tratado das Naçôes Unidas sobre a mudança do clima, que rege medidas para reduzir a emissão dióxido de carbono a partir de 2020, e lutar contra o aquecimento global. As conclusôes foram publicadas, no domingo, 8/7, na revista internacional Nature Climate Change. Os autores mostram como a descontinuidade de políticas públicas pode prejudicar o cumprimento do tratado além de promover “barganhas políticas” para uso do solo.
 
 
Dois aspectos são apontados como fundamentais para o retrocesso: a aprovação do novo Código Florestal, em 2012, e a pressão da bancada ruralista, desde 2016, para a aprovação de projetos, assinatura de medidas provisórias e a publicação de decretos. Essas intervençôes diminuíram as exigências para o licenciamento ambiental, suspenderam a demarcação de terras indígenas e facilitaram o benefício de grileiros em relação a recursos de áreas desmatadas ilegalmente.
 
As estimativas para 2025 não são positivas. Até lá, haverá perdas anuais de 27 mil quilômetros quadrados de matas na Amazônia e 18 mil quilômetros quadrados no Cerrado, o que aumenta o acúmulo de gases de efeito estufa. Segundo os especialistas, isso pode comprometer a política de redução das emissôes de CO2 pelo controle de desmatamento, promovida na última década, o que atrapalha ainda mais o cumprimento do acordo.
 
Alexandre Szklo, do Programa de Planejamento Energético da Coppe/UFRJ e um dos autores do artigo, explica que o desmatamento atual não tem valor econômico. Tem mais justificativa política do que micro ou macro econômica. Ou seja, não gera lucros, mas sim atendem a outros interesses. “Se a tendência dos últimos três anos se preservar, o Brasil não será capaz de atender as metas do acordo climático. Isso não significa que o mundo não é capaz, mas que o Brasil não contribuirá. Outros países teriam de assumir a parcela do Brasil”, explica. Para atender as metas, o setor industrial brasileiro pagaria a conta do uso do solo por conta das opçôes feitas pelo governo. “Desmatar menos é mais barato do que usar tecnologias que sequer estão disponíveis no país”, pondera Szklo.
 
A governança ambiental brasileira, segundo o artigo, se divide em três períodos: pré-2005, de governança fraca e altas taxas de desmatamento; de 2005 a 2011, período de aprimoramento na governança e resultados efetivos na redução do desmatamento; e 2012 a 2017, quando a governança foi gradualmente fragmentada pela anistia ao desmatamento ilegal. Entre 2005 e 2012, o Brasil, 7º maior emissor de gases de efeito estufa, reduziu em 54%, sobretudo pela redução do desmatamento.

Anulação de ganhos

Na prática, até 2025, este cenário representa a anulação dos ganhos alcançados desde 2005. Isso representa o pior cenário possível e deve ser entendido como uma desconstrução completa das políticas públicas, com impactos severos nas taxas de desmatamento, que poderiam retornar aos níveis pré-2005″, destaca o artigo.
 
Paulo Barreto, pesquisador do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), é categórico ao afirmar que o desmatamento está acima do que era esperado. “A meta era chegar em 2020 com 3,8 quilômetros quadrados. No último ano, foram quase 7 mil. Em 2012, foram 4,8 mil. Os números mostram que avançamos, mas depois regredimos”, critica. Ele destaca que a situação atual é de instabilidade. “Temos o vai-vem de políticas públicas, com dependência de quem será eleito e das intençôes do Congresso, continuará tendo uma alta presença ruralista”, explica.
 
O Acordo de Paris foi aprovado em dezembro de 2015, durante a 21ª Conferência das Partes (COP21), pelos 195 países da Convenção-Quadro das Naçôes Unidas sobre a Mudança do Clima (UNFCCC). A intenção é reduzir emissôes de gases de efeito estufa para manter o aumento da temperatura média global em menos de 2°C.
 
O Brasil comprometeu-se a reduzir as emissôes de gases de efeito estufa em 37% abaixo dos níveis de 2005, em 2025, com uma contribuição de reduzir as emissôes de gases de efeito estufa em 43% abaixo dos níveis de 2005, em 2030. Para isso, o país se comprometeu a aumentar a participação de bioenergia sustentável na sua matriz energética para aproximadamente 18% até 2030, reflorestar 12 milhôes de hectares de florestas e aumentar a participação em 45% de energias renováveis na composição da matriz energética em 2030.
 
Em nota, o Ministério do Meio Ambiente, apresentou outra panorama. “Em 2017 atingimos uma redução de 75% do desmatamento em relação a 2004, quando o governo criou uma política para combater o desmatamento. A redução no Cerrado em 2016 foi de 43% e, em 2017, foi de 38% em relação a 2015, último dado divulgado. Foram os menores índices registrados. Ultrapassamos a meta interna de redução do desmatamento no Cerrado prevista na Política de Mudança sobre o Clima atingindo 53% em 2017 (meta redução de 40% em 2020). Mata Atlântica: Em 2017 o desmatamento reduziu 57% em relação a 2016”, destaca o texto.
 
Fonte: Correio Braziliense

Indique esta página
Poderá também gostar de:
img
Brasil precisa reduzir drasticamente consumo de...
img
Em 20 anos, extremos climáticos custaram US$ 3,5...
img
Indianos estão deixando Nova Deli para fugir da...
img
Volkswagen diz que última geração de motores a...
img
Casais que moram juntos antes do casamento têm...
img
Quem mais gera lixo no mundo, e quem mais sofre...
img
Ambientalistas tentam evitar que Belo Monte cause...
img
Pesquisador quer construir muralha para impedir...
img
Três coisas que podemos fazer para evitar que a...
img
Ondas de calor serão mais intensas e já refletem...
img
Com as ondas de calor que Europa passa, temporais...
img
Brasil, o país mais letal para defensores da...
img
Grécia procura respostas para a...
img
Mundo deve ter onda de calor a cada dois anos;...
img
Como indústria da carne contribui para o...
img
Estamos consumindo peixe como nunca, e a conta...
img
Lixo orgânico também pode e deve ser...
img
Em um mistério ambiental, muitos indícios apontam...
img
Cientistas identificam fonte de misteriosas...
img
Gás de “fracking” e a falsa impressão de vantagem...
img
Brasil pôe metas do clima em risco, diz...
img
Governança ambiental brasileira é retrocesso...
img
Monsanto, a gigante agroquímica de produtos...
img
Aquecimento global pode ser muito pior do que o...
img
América Latina é uma das três regiôes do mundo...
img
Empresa canadense desenvolve método que gera...
img
Secas se espalham pelo País e 59% das cidades não...
img
Lixo químico pôe em risco o abastecimento de 12...
img
Sul-coreanos criam oásis de alimentos orgânicos...
img
Poluição do ar já provocou 3,2 milhôes de novos...
Page 1 of 692
Mais Notícias...