Mundo

05/10/2018“As crianças não tinham mais medo de ver os cadáveres”, diz cristã da Coreia do Norte

(Foto: Reprodução)
 
A transição do ditador Kim Il-sung para Kim Jong-il na Coreia do Norte veio com mudanças de segurança nos anos 90. Mas quando Kim Jong-il começou a assumir, uma fome brutal passou a se enraizar no país comunista. Foi neste contexto que a cristã Hea Woo* viveu e viu a mão de Deus sobre sua vida.
 
São muitas as causas da fome que assolou a Coreia do Norte na época. Primeiro, a União Soviética caiu em 1991, acabando com o apoio econômico e agrícola à nação comunista. O país também experimentou uma inundação destrutiva, arruinando sua capacidade de cultivar.
 
A inundação também destruiu grande parte da infraestrutura elétrica do país, deixando os agricultores sem condiçôes de irrigar suas plantaçôes durante uma seca. Todos esses fatores levaram a uma grande fome, que segundo estimativas, matou centenas de milhares de pessoas.
 
Woo conta que pouco antes da queda da União Soviética, a situação já não era tão boa e ficou ainda pior.
 
“Antes, as pessoas ainda recebiam salários e raçôes para se alimentar. As sopas de arroz eram distribuídas em quantidades muito pequenas porque o governo tinha que economizar. Então, era algo para manutenção simples. Mas até mesmo isso parou de ser distribuído. Todos dependiam dessas sopas e o governo interrompeu a distribuição”, contou ela.
 
“E as pessoas estavam muito preocupadas sobre como continuar suas vidas. Naquela época, os pais não tinham nem condiçôes de alimentar seus próprios filhos. Então as famílias ficaram no chão por semanas, porque não tinham sequer energia para se levantar. Não era questão de saber se algo era saboroso ou não. Nós simplesmente não tínhamos nada para cozinhar e comer”, acrescentou.
 
Ela ainda relatou que por não conseguirem comida dentro de casa com os pais, as crianças tinham que ir às ruas, tentar conseguir algo para se alimentar. "As crianças eram levadas para fora, para pegar alguma coisa na rua e comer", diz ela.
 
“Comer no chão e viver. Muitas pessoas morreram de fome. Quando íamos às estaçôes de trem, pela manhã, encontrávamos as pessoas simplesmente deitadas no chão, mortas. As crianças não tinham mais medo de ver os cadáveres porque viram tantos”, lamentou.
 
Quando a fome bate à porta
 
A tragédia da fome não deixou a família de Hea Woo intacta. No mesmo ano em que seu marido morreu em um campo norte-coreano de trabalhos forçados por se recusar a renunciar sua fé cristã, a tragédia atingiu Hea Woo mais uma vez.
 
“Minha filha, na época, tinha vinte e seis anos. Ela morreu de fome em 1997”, relatou.
 
O último desejo da filha de Hea Woo antes de morrer foi que a mãe conseguisse fugir da Coreia do Norte e ir para a China. Então foi isso que Hea Woo e seus filhos restantes fizeram.
 
Infelizmente, as tragédias de Hea Woo não estavam no fim. Chegando à China, ela foi capturada e repatriada para a Coreia do Norte. Sua punição seria o cumprimento de uma pena em um campo de trabalhos forçados, para sofrer nas mesmas condiçôes que mataram seu marido.
 
Suas descriçôes da prisão e suas condiçôes são assustadoras — e têm semelhanças notáveis ​​com as descriçôes dos campos de concentração da época nazista.
 
"Havia diferentes partes dentro da prisão", diz Woo. “Alguns [setores] faziam agricultura, outros construíam, outros faziam mineração. Homens e mulheres eram separados; todos os presos pareciam estar sempre prestes a desmaiar. Eles estavam todos sem esperança e em desespero. E mais, eles estavam morrendo de fome. Cada pessoa recebia um punhado de milho podre e não havia mais nada para comer. Era como uma água suja, não poderia nem ser chamado uma sopa. Nós recebíamos aquilo como ‘alimento’ durante o ano inteiro. Nada mais”.
 
“E as pessoas são obrigadas a trabalhar mais que os animais”, continua ela. “E como todo mundo é forçado a trabalhar sem a alimentação necessária, as pessoas morrem de desnutrição. Pessoas morreram em acidentes enquanto trabalhavam também. E havia um grupo distinto composto apenas por pessoas que foram flagradas tentando escapar da prisão. Essas pessoas tinham que carregar recipientes cheios de fezes. Os contêineres eram feitos de madeira grossa e era tão pesado que até duas pessoas tinham dificuldade em carregar um contêiner. Era realmente uma ameaça à vida com o cheiro das fezes e do ar venenoso”.
 
 (Foto: Reprodução)
 
Sobrevivendo à tortura
 
No entanto, para Hea Woo, mesmo a brutalidade física de sua experiência não era a pior parte: “O trabalho físico era difícil, mas o pior era que não tínhamos liberdade de fé”, diz ela.
 
“Não podíamos orar livremente, mas eu ainda orava no meu coração. Quando as pessoas dormiam, eu acordava para orar. Foi lamentável que não tivemos liberdade de fé; Eu realmente ansiava pela liberdade”, acrescentou.
 
“Algo pelo qual eu sempre orava era por aquelas almas agonizantes que não sabiam sobre Deus”, diz Hea Woo. “Eu orei para que Deus protegesse nossa igreja clandestina. E também para que o governo perverso desmoronasse, e essa liberdade de fé chegasse à Coreia do Norte. Eu orei para que a idolatria à dinastia Kim, que persistia ao longo das geraçôes desaparecesse e que as pessoas pudessem se arrepender. Eu orei para que a prisão se dissolvesse também. Eu também orei para que os cristãos de todo o mundo orassem por nós com sinceridade”.
 
Hea Woo acredita que suas oraçôes são a razão pela qual ela conseguiu permanecer forte na prisão — e por sua eventual libertação. Ela se lembra de um caso em que estava sendo espancada repetidamente por um guarda em particular, a ponto de achar que ia morrer.
 
"Eu pedi a Deus para fazer algo sobre aquele poder satânico e Deus permitiu que o guarda ficasse doente e fosse hospitalizado por um mês", lembra ela. “Então eu não o vi por um tempo. Deus realmente escutou minhas oraçôes e depois, por causa da graça de Deus, pude sair viva da prisão”.
 
“Eu sobrevivi no meio daquela solidão sem ninguém ter ido me visitar. Embora não houvesse ninguém, Deus me protegeu com Sua graça. Quando eu orei para que eu pudesse me tornasse luz e sal, Ele me disse para 'compartilhar e sacrificar'. E ele também me disse para evangelizar. Havia tantas respostas que recebi através da minha oração”, relatou.
 
Eventualmente, Hea Woo foi libertado da prisão e Deus a manteve segura. “Eu pedi um milagre como a travessia do Mar Vermelho, e Deus me salvou quando eu caí no rio Tumen, durante minha fuga da Coreia do Norte [para a China]”, diz Hea Woo. “E ele me forneceu a zona de segurança, assim como a terra de Goshen [dada a Israel no Antigo Testamento]”.
 
Hoje Hea Woo mora na Coreia do Sul, onde desfruta plenamente de sua tão sonhada liberdade de fé e, apesar de ainda carregar as cicatrizes e o trauma de sua experiência na Coreia do Norte
COM INFORMAÇÕES DA PORTAS ABERTAS

Indique esta página
Poderá também gostar de:
img
Sacrifício de animais para o Terceiro Templo é...
img
ONU se recusa a condenar Hamas por ataques contra...
img
Árabe reconhece que “Deus ama judeus” após ver...
img
Israel tem o pior conflito em Gaza desde a guerra...
img
Prestes a serem decapitados, pastores têm visão...
img
Governo da Venezuela impede que igrejas doem...
img
Trump interrompe discurso e multidão canta hino...
img
Primeiro-ministro de Israel parabeniza Bolsonaro...
img
Pastor conselheiro de Trump diz que Deus quer...
img
Terroristas invadem casa de jovem cristã e matam...
img
Venezuela, Irã e Hezbollah querem interferir nas...
img
Juiz usa o Alcorão para confrontar muçulmanos que...
img
Partido comunista quer 'reeducar' pastores,...
img
Governo Trump quer eliminar ideologia de gênero...
img
Feministas atacam igreja em protesto a favor do...
img
Missionário é detido na Turquia no dia seguinte à...
img
Hospital planeja suicídio assistido para crianças...
img
Após ser solto na Turquia, pastor ora por Trump...
img
Ditador da Coreia do Norte é bisneto de...
img
Pastor americano ligado a Trump vê Bolsonaro como...
img
Criança de 5 anos é abusada sexualmente, após...
img
Pastor torturado permanece sob perseguição do...
img
“As crianças não tinham mais medo de ver os...
img
“Todas as naçôes do mundo devem resistir ao...
img
Ateísmo deve ser integrado às aulas de educação...
img
Palestina saúda terroristas como “heróis” e...
img
Cristãos classificam acordo do Vaticano com...
img
Arqueólogos encontram evidências da travessia dos...
img
Jovem indonésio sobrevive 49 dias à deriva no mar...
img
Professor é investigado por ensinar a diferença...
Page 1 of 10
Mais Notícias...