Brasil

16/11/2018Paulo Guedes não pretende taxar igrejas evangélicas

O economista Paulo Guedes será ministro da pasta no governo Bolsonaro. (Foto: Daniel Ramalho/AFP)
 
Uma mensagem que circula nas redes sociais sugere que o futuro ministro do Superministério da Economia, Paulo Guedes, teria planos de acabar com a isenção tributária das entidades religiosas.
 
“Paulo Guedes falou agora na GloboNews que as igrejas vão ter que pagar imposto”, diz o texto, que sugere que as igrejas evangélicas seriam o principal alvo da mudança.
 
“Repete Hitler e os eleitores judeus”, afirma o texto. “Tal qual Hitler, depois de receber 61% dos votos judeus que o ajudaram a ser eleito em 1935”.
 
A suposta fala de Guedes teria sido dita em uma entrevista ao canal de TV a cabo no último dia 30 de outubro, dois dias após a eleição de Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência.
 
Segundo uma apuração feita pelo UOL, a mensagem é falsa, assim como a montagem que a acompanha. O futuro ministro negou a proposta e nenhuma declaração sobre taxação de igrejas foi encontrada.
 
A assessoria de comunicação de Guedes desmentiu a autoria da mensagem e a classificou como “fake news”. “É mentira a declaração que está sendo atribuída a ele, o futuro ministro jamais fez esta declaração”, disse em nota a assessoria do futuro ministro.
 
Não foi encontrada a suposta reportagem para a GloboNews ou qualquer declaração de Guedes sobre taxação de igrejas, sejam evangélicas ou não.
 
Desde 2016, quando Bolsonaro foi batizado em Israel, o presidente eleito tem se aproximado dos evangélicos, grupo em que teve grande apoio eleitoral.
 
A comparação entre Jair Bolsonaro e o ditador nazista Adolf Hitler também tem uma série de erros históricos.
 
Hitler não foi eleito em 1935, como diz a mensagem falsa. Na verdade, o austríaco foi nomeado chanceler (chefe do governo) alemão em janeiro de 1933, pelo então presidente Paul von Hindenburg, que ganhou as eleiçôes de 1932, quando Hitler ficou em segundo lugar. No mesmo ano, o Partido Nazista havia se tornado a maior força no Parlamento da Alemanha.
 
O ditador só se tornou chefe de estado e de governo em agosto de 1934, quando Hindenburg morreu. Ele se manteve no poder até se suicidar em abril de 1945, ao final da Segunda Guerra Mundial. Portanto, Hitler não chegou a ser eleito presidente e não poderia ter tido votos dos judeus em sua eleição.
 
COM INFORMAÇÕES DO UOL

Indique esta página
Poderá também gostar de:
img
Witzel quer firmar acordo com Israel para treinar...
img
Brasil dá apoio histórico a Israel na ONU, sob...
img
Igrejas são convidadas a influenciar sociedade no...
img
Bolsonaro diz que ministro da Educação atende a...
img
“Quando autoridades honestas governam, o povo se...
img
“A gente fará aliança até com o Diabo” , diz...
img
Paulo Guedes não pretende taxar igrejas...
img
Bolsonaro sinaliza mudanças na Educação com apoio...
img
Exposição de arte no Rio sugere que militantes...
img
“Dialeto secreto de gays e travestis” é abordado...
img
Professora é afastada após ensinar crianças com...
img
Sérgio Moro irá comandar o Ministério da Justiça...
img
“Não sou o mais capacitado, mas Deus capacita os...
img
Jair Bolsonaro é eleito presidente do Brasil no...
img
Haddad não é claro sobre aborto e ideologia de...
img
Bolsonaro quer aproximação com Israel e romper...
img
Com apoio do Governo Federal, congresso de...
img
Novo Congresso será o mais conservador de todos...
img
Pastor sofre atentado a bala e suspeita de...
img
A ideologia do Partido dos Trabalhadores é...
img
A mídia não aceita o “fenômeno” Bolsonaro porque...
img
Haddad, Ciro e Boulos assinam compromisso com a...
img
STF libera material didático sobre ideologia de...
img
Brasil, o país mais letal para defensores da...
img
Maior problema ambiental brasileiro é a...
img
Brasil pôe metas do clima em risco, diz...
img
Governança ambiental brasileira é retrocesso...
img
Lixo químico pôe em risco o abastecimento de 12...
img
Sul-coreanos criam oásis de alimentos orgânicos...
img
Meio Ambiente debate proibição de zoológicos e...
Page 1 of 7
Mais Notícias...