Brasil

11/07/2019Governo Bolsonaro denuncia perseguição contra cristãos na ONU

Evento sobre perseguição religiosa na 41ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra. (Foto: ADF International)
 
O governo de Jair Bolsonaro denunciou a perseguição contra cristãos nesta segunda-feira (8) em um evento sobre violência religiosa na 41ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra, na Suíça.
 
O discurso contra a perseguição religiosa foi feito pelo secretário Nacional de Proteção Global do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, Sérgio Queiroz, em um evento organizado pelo governo da Polônia e co-patrocinado por países como Brasil e Iraque. 
 
Queiroz disse que foi “politicamente incorreto” em seu discurso e fez questão de enfatizar “uma inconveniente verdade de que, embora diversas religiôes sofram em países onde são minoria, os cristãos são o grupo mais perseguido no mundo”.
 
“Essa realidade tem que mudar. O Governo Brasileiro vai garantir que todos tenham assegurado o direito à liberdade religiosa, inclusive o direito de não crer ou de mudar de religião”, disse o secretário nas redes sociais. “Grato a Deus por tão importante experiência”.
 
Liderado pelo embaixador da Polônia na ONU, Zbigniew Czech, o evento explorou o que poderia ser feito para garantir a implementação do direito à liberdade religiosa no âmbito global. 
 
Uma das propostas discutidas foi a possibilidade de estabelecer o Fórum das Naçôes Unidas sobre Liberdade de Religião ou Crença, para destacar os desafios relativos à liberdade religiosa e desenvolver planos de ação para ajudar as pessoas afetadas por tais violaçôes. Também foi discutido o estabelecimento de um relator ou enviado especial de cada Estado Membro para se concentrar exclusivamente no tema. 
 
Queiroz, que também é pastor, lembrou que 87% dos cidadãos brasileiros se declaram cristãos e que devem levar em conta “a dor e perseguição” que outros cristãos sofreram “no passado e hoje pelo mundo”. “Portanto, é importante defender o direito de minorias religiosas”, disse.
 
O secretário ainda defendeu que a “experiência brasileira” na defesa de minorias “inspire” países onde o cristianismo é restrito. “Precisamos ser vocais em denunciar discriminação contra minorias”, defendeu, citando casos de cristãos que estão sendo alvo de prisôes e violência ao redor do mundo.
 
COM INFORMAÇÕES DO UOL E FORBES

Indique esta página
Poderá também gostar de:
img
Em culto, Bolsonaro diz que vai indicar ministro...
img
Governo Bolsonaro denuncia perseguição contra...
img
Evangélicos voltam a cobrar Itamaraty sobre...
img
Bolsonaro cogita um ministro do STF ‘evangélico’...
img
Tá na hora de...
img
Fábio Porchat diz que 'é maluquice acreditar na...
img
STF retoma julgamento sobre criminalização da...
img
Evangélicos montam acampamento em ponte e evitam...
img
Decisão do STF impede psicólogos de atenderem...
img
Confederação Israelita do Brasil irá processar...
img
Israel doa ao Brasil máquinas que produzem água...
img
Líderes evangélicos divergem sobre posse de armas...
img
Governo de Bolsonaro pode restringir venda de...
img
Witzel quer firmar acordo com Israel para treinar...
img
Brasil dá apoio histórico a Israel na ONU, sob...
img
Igrejas são convidadas a influenciar sociedade no...
img
Bolsonaro diz que ministro da Educação atende a...
img
“Quando autoridades honestas governam, o povo se...
img
“A gente fará aliança até com o Diabo” , diz...
img
Paulo Guedes não pretende taxar igrejas...
img
Bolsonaro sinaliza mudanças na Educação com apoio...
img
Exposição de arte no Rio sugere que militantes...
img
“Dialeto secreto de gays e travestis” é abordado...
img
Professora é afastada após ensinar crianças com...
img
Sérgio Moro irá comandar o Ministério da Justiça...
img
“Não sou o mais capacitado, mas Deus capacita os...
img
Jair Bolsonaro é eleito presidente do Brasil no...
img
Haddad não é claro sobre aborto e ideologia de...
img
Bolsonaro quer aproximação com Israel e romper...
img
Com apoio do Governo Federal, congresso de...
Page 1 of 8
Mais Notícias...